Curta a nossa página
22/07 23h47 2018 Você está aqui: Home / Entendendo Saúde Dr. Luiz Duplat Imprimir postagem

Quanto mais doentes melhor. Quem lucra?

Você está aqui: Home / Entendendo Saúde - com Dr. Luiz Duplat

O modelo atual de assistência à saúde encontra-se centrado em remédios, consultas, cirúrgias, internações, próteses, exames de imagens de última geração, ficando claro e evidente que é um modelo que tem como foco a doença. Este modelo proporciona uma saúde cada vez mais cara, inclusive em 2016 a inflação médica atingiu o índice de 19%, enquanto a inflação geral no Brasil ficou no patamar dos 6%. A indústria da doença, formada por hospitais, clínicas, laboratórios bioquimicos, farmácias, laboratórios de medicamentos, indústrias de equipamentos médicos e planos de saúde, comprova que a economia da saúde é movimentada pela doença e não pela promoção a saúde e prevenção de doença. Numa situação hipotética de no período de trinta dias, que não tivesse nenhum doente, como a economia da saúde iria se comportar? Respondo: 

 

O sistema quebraria, pois todos ganham na medida que se tem doentes, seus lucros advém da doença, da realização de exames, de medicamentos, de próteses, de internamentos, de vendas de planos de saúde. Os recursos do SUS – Sistema Único de Saúde, na sua maior parte, são aplicados em consultas, exames e procedimentos, com finalidade diagnóstica ou de tratamento. Apenas um pequeno percentual, deste recursos, são aplicados em promoção á saúde. Temos como exemplo a obesidade, que esta associada a hipertensão e diabetes,e que teve um aumento significativode casos na última década, entretanto, não temos nenhuma política pública voltada para uma alimentação saudável e de qualidade, pois, como sabemos, estas doenças crônicas são causadas por uma combinação de fatores genéticos, comportamentais e ambientais. 

 

O que vemos é, cada vez mais, aumentar o consumo de refrigerantes, biscoitos recheados e salgadinhos, assim como o número de restaurantes tipo fast food. Será necessário um grande pacto entre estes setores da industria que formam a economia da saúde, no sentido de se construir uma sociedade mais saudável, com investimento numa política e prática de uma alimentação de qualidade, com menos sedentarismo, com prevenção, inclusive com a implantação de equipamentos sociais públicos, tipo praças, ciclovias, academia ao ar livre, escolas, creches, parques, que transformariam as cidades, tornando-as com menos doentes. Mas, já se percebe a necessidade de mudança deste modelo, e já vemos, mesmo de forma incipiente e lenta, esta mudança. 

 

O Programa Saúde da Família (PSF) foi implantado no Brasil pelo Ministério da Saúde em 1994, é conhecido hoje como "Estratégia de Saúde da Família", por não se tratar mais apenas de um "programa", busca promover a qualidade de vida da população e intervir nos fatores que colocam a saúde em risco, como falta de atividade física e má alimentação. A proximidade da equipe de saúde com o usuário permite que se conheça a pessoa, a família e a vizinhança. Isso garante uma maior adesão do usuário aos tratamentos propostos pela equipe de saúde, resultando em resolução do problema de saúde, sem a necessidade de maiores gastos em consultas, exames e medicamentos, e com menos encaminhamentos para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) ou hospital. 

 

Dr Luiz Duplat Médico


Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
lista mais

Artigos relacionados