Curta a nossa página
10/09 10h53 2018 Você está aqui: Home / Curiosidades Portal Abrantes Imprimir postagem

Por que você se conecta com certas pessoas?

Estudos indicam que, quando nos damos bem com alguém, o nosso cérebro emite os mesmos comprimentos de ondas neurais mostrando que somos muitos mais parecidos com as pessoas com que nos relacionamos do que imaginamos.

Talvez tenha acontecido com você, com um estranho em uma festa ou com um colega ocasional no trabalho. Se você for realmente sortudo, isso aconteceu com você durante uma entrevista de emprego, ou poucos minutos depois de conhecer um colega de quarto.

Você se deu bem com eles.

Pode acontecer se você for tímido ou extrovertido, se o assunto da conversa é aquele que você gosta ou aquele que você não está familiarizado. Mas a experiência de se dar bem é inesquecível. Tudo o que a outra pessoa diz ressoa com você. Seus ritmos de fala coincidem. A conversa flui como a água corrente, sem ser impedida por um único silêncio constrangedor e imperturbável até mesmo por um momento de aborrecimento, perplexidade ou mal-entendido: o equivalente social de uma corrida impecável e que vale medalha de ouro.

A experiência de se dar bem com alguém pode parecer, em suma, quase miraculosa…que é exatamente o tipo de desafio que os neurocientistas gostam. Insinuar que algo não pode ser explicado tem o mesmo efeito sobre os pesquisadores do que acenar uma bandeira vermelha na frente de um touro. É claro que eles vão procurar os alicerces neurobiológicos desses “cliques”, e 2018 está se preparando para ser um ano marcante para isso.


 
Se se dar bem com alguém parece como se você estivesse “no mesmo comprimento de onda”, no final das contas há uma boa razão para isso. No que é chamado de “sincronização interpessoal”, as pessoas se dão bem em uma reunião silenciosa da mente, sobre quanto tempo olhar para uma pintura de museu ou quando se levantar da mesa da cafeteria. Tal sincronia ocorre quando uma observação por acaso desencadeia em ambos uma sobrancelha levantada simultaneamente, quando o que você vê no rosto do seu companheiro reflete os sentimentos e pensamentos dentro do seu próprio cérebro. Suas linguagens corporais combinam, o que chama sua atenção também chama a dele, vocês ficam impacientes ao mesmo tempo, sobre as mesmas coisas.

Em um estudo de 2018 sobre uma versão da sincronização, o neurocientista Pavel Goldstein, da Universidade do Colorado Boulder e seus colegas recrutaram 22 casais heterossexuais, com idades entre 23 e 32 anos, e administraram calor levemente doloroso no braço de cada mulher. Enquanto o parceiro oferecia conforto e simpatia, os pesquisadores mediram a atividade cerebral em cada parceiro.

 

Simplesmente estar na presença um do outro fez com que suas ondas cerebrais se sincronizassem, conforme medido pelo EEG, particularmente em comprimentos de onda chamados de banda alfa-mu. Essas ondas cerebrais são uma marca de atenção concentrada. Cada casal estava em sincronia, espelhando-se neurologicamente em termos do que eles estavam focando – sua dor, seus esforços para consolá-la (talvez repensando sobre o voluntariado para experimentos científicos). Quando o homem e a mulher deram as mãos enquanto experimentavam a queimadura leve, a sincronia ou o que os cientistas chamam de “acoplamento cérebro-a-cérebro” atingiram seu auge.

Ver alguém que você ama sofrer (eu espero) é uma experiência incomum, mas a sincronia neural também ocorre em situações mundanas. Em um estudo de 2018, 42 voluntários assistiram a videoclipes curtos (desde videocassetadas até um astronauta falando sobre ver a Terra do espaço, jornalistas debatendo um discurso de Barack Obama e um filme de casamento) enquanto cientistas mediam sua atividade cerebral com imagem por ressonância magnética funcional (fMRI). Os cientistas mapearam previamente a rede social de todos, notando quem era amigo de quem, quem era amigo de um amigo, quem foi um amigo duas vezes removido, e assim por diante.

A atividade cerebral durante a exibição dos clipes foi “excepcionalmente semelhante entre os amigos”, disse a psicóloga Thalia Wheatley, do Dartmouth College, que liderou o estudo.

“Mas essa similaridade diminui com o aumento da distância na rede social.” Em outras palavras, os amigos eram mais parecidos em seus padrões de atividade neural, seguidos por amigos de amigos e, em seguida, amigos de amigos de amigos. Esses padrões neurais, disse Wheatley, sugerem que “somos excepcionalmente semelhantes aos nossos amigos em como percebemos e respondemos ao mundo ao nosso redor. Você se dá bem mais com amigos do que com não amigos, o que se encaixa com nossa intuição de que ressoamos com algumas pessoas mais do que com outras pessoas. Parece haver razões neurobiológicas para isso.”


 
As regiões do cérebro com atividade mais semelhante entre amigos incluíam áreas subcorticais, como o núcleo accumbens e a amígdala, que estão envolvidas na motivação e no processamento de emoções. Houve também semelhança notável nas áreas envolvidas na decisão sobre a que prestar atenção e nas regiões do lobo parietal inferior, que foram ligadas ao discernimento dos estados mentais dos outros, ao processamento do conteúdo narrativo das histórias e, em geral, à compreensão do mundo.

Wheatley chama de homofilia neural (a ideia de que como se faz amizade). Respondendo ao mundo de maneira semelhante, medida pela atividade cerebral, está subjacente o fenômeno do “clique”: É por isso que você e aquele estranho em uma festa ou colega de quarto riem das mesmas coisas, querem conversar sem parar sobre o mesmo assunto e enxergam a lógica no mesmo argumento. Se duas pessoas interpretam e respondem ao mundo de maneiras semelhantes, elas são facilmente capazes de prever os pensamentos e ações uns dos outros, disse Wheatley. Essa maior previsibilidade facilita a interação e a comunicação, o que torna as conversas e as experiências compartilhadas mais agradáveis. Isso também torna as amizades mais prováveis.

Mas a homofilia também descreve como os pássaros do mesmo bando voam juntos, onde o “bando” são coisas como idade, etnia e nível de educação: As pessoas tendem a se tornar amigas daquelas com as mesmas características demográficas. Isso levanta a questão de saber se os traços demográficos causam padrões neurais específicos. Em caso afirmativo, padrões semelhantes de atividade cerebral em amigos seriam simplesmente o resultado de pessoas com níveis de educação, etnias e outras características semelhantes – talvez incluindo crenças ideológicas, interesses recreativos e preferências culturais – gravitando em direção um ao outro. Em outras palavras, talvez essas características tornassem as pessoas amigas, e a atividade neural fosse secundária, um mero espectador da causa real.

Os cientistas sabiam que tinham que resolver isso, e eles acham que resolveram. Wheatley e seus colegas usaram técnicas estatísticas padrão para medir se os padrões neurais eram uma variável chamada independente, não um mero reflexo de outra coisa (como uma variável demográfica). Eles eram. Mesmo quando controlavam as semelhanças em idade, sexo, nacionalidade e etnia, os padrões de atividade cerebral eram mais semelhantes entre amigos do que amigos de amigos e amigos com graus maiores de separação. “Todos estes foram menos preditivos de amizade do que a resposta neural”, disse Wheatley.

Há um problema de galinha e ovo, no entanto: o que veio primeiro, se dar bem devido à sincronia neural ou amizade? “Não podemos separar essas duas possibilidades porque nosso estudo analisou apenas um momento no tempo”, disse Wheatley. “Apenas um estudo longitudinal poderia nos dizer” se as pessoas procuram (provavelmente inconscientemente) aquelas com padrões neurais semelhantes e se tornam amigas, ou se a amizade faz com que os padrões neurais das pessoas se tornem mais semelhantes. Ela está realizando mais estudos para ver se a experiência compartilhada leva à semelhança neural. Neste caso, pessoas que são colocadas juntas por forças além de seu controle (como a loteria de atribuição de colegas de quarto), e inicialmente não enxergam o mundo da mesma maneira, chegam a fazê-lo e passam a adotar as visões de outras pessoas.

Alternativamente, “talvez procuremos pessoas que sejam como nós, na forma como percebem e respondem ao mundo, e se encontrem em uma câmara de eco”, disse Wheatley. Ela também planeja estudar estranhos, medir suas respostas neurológicas a videoclipes e ver se a similaridade prediz se eles se tornam amigos quando se encontram.

Acoplamento cérebro-a-cérebro

A compreensão emergente sobre se dar bem com outra pessoa pode lançar luz sobre alguns mistérios sociais. As pessoas cujas conversas com estranhos e até mesmo conhecidos estão repletas de silêncios constrangedores podem ter padrões neurais que estão fora de sincronia com quase todos os outros. Elas não acham as mesmas coisas interessantes, sua atenção raramente está no mesmo lugar e, como resultado, elas não se dão bem. (Isso descreve algumas pessoas no espectro do autismo, mas isso não foi especificamente estudados nessa população.)

Além de conectar cérebros com eletrodos para sincronizar sua atividade, pode haver uma maneira de aumentar suas chances de se dar bem com alguém. Nós nos sentimos mais conectados com pessoas cujas posturas, ritmos vocais, expressões faciais e até mesmo o piscar dos olhos combinam com os nossos. Talvez o fato de se dar bem com alguém possa ser acionado de fora para dentro: sincronize conscientemente as ações que você pode controlar – postura, expressão e afins – com as outras pessoas, e sua atividade cerebral pode seguir. Pronto.

As coisas complexas que fazemos juntos – jogar futebol, arquitetura, criar a internet, sem mencionar simplesmente nos darmos bem – exigem que coordenemos rapidamente nossas ações. De acordo com um artigo publicado em Trends in Cognitive Science em 2012 por Uri Hasson e colaboradores, “apesar do papel central de outros indivíduos em moldar nossas mentes, a maioria dos estudos cognitivos se concentra em processos que ocorrem dentro de um único indivíduo”. Eles pediram uma mudança “de um cérebro único para um quadro de referência multicérebro”. Eles argumentaram que transmitimos sinais que permitem que os processos neurais de um cérebro se unam aos de outro, criando uma rede social que leva a “comportamentos complexos de articulações que não poderiam ter emergido isoladamente”.

 

Conti outra

 

 

 

 

 


Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
lista mais

Artigos relacionados